Disputa de terra das zonas Fronteiriças do Kruger

Land disputes in the Kruger Borderlands

 Will ecological reserves be the solution to poaching?

Estacio Valoi

April 6th 2018

 An area of protection along the Kruger National Park frontier targets poachers. Displaced populations denounce the usurpation of land by wealthy foreigners in partnership with corrupt political leaders.

In the district of Massingir, with a coverage of about 580,000 hectares on the Mozambican side, separating across the border line with South Africa, the high rate of poaching is notorious. It is estimated that 90% of the 3960 rhinoceros victims of poaching in Kruger National Park since 2010 have been slaughtered by Mozambican poachers who enter the park across the border, according to tax inspectors

South African tourism companies and conservation agents have been developing eco-tourism projects in Mozambican territory, along the border line with the aim of creating a protection zone against Furtive Hunting along the 360km extension, to protect the rhinos and elephants that have progressively been targeted by hunters.

Communities that have had to give way to the protection zone have accused companies of usurping land to create Ecological Areas for the mega-rich. The inhabitants claim that South Africans are aided by the son of the former President of the Republic of Mozambique and local political leaders through bribes, false promises and deliberately fomented land conflicts.

"They said they would give us jobs when we gave them the land. That was not true. They then manipulated and divided our communities so that only they could reign and take advantage, "said Isac Alione Fubai, a former leader of the Cubo Community.

Twin City, a South African company that occupied large tracts of land in the protection zone, had created conflicts between members of the Cubo and Nkanhine communities for their own benefit, Fubai said.

Twin City

In South Africa, Twin City's main business is the development, rental and management of shopping centers. The company belongs to the super-rich Pistorius family, world-renowned after the former Paralympic athlete Oscar Pistorius killing his girlfriend, model Reeva Steenkamp in 2013.

In Mozambique, the company formed a consortium called Twin City- Karingana Wa karingana Ecoturismo Limitada, based in Maputo and registered in the Commercial Entities Registry. Its partners are: Twin City Development (Pty) Ltd, holding 50% of the shares and Twins Investment Limited, shareholder of the other 50%. The Mozambican shareholders, represented by Muhammad Khalid Peyrye, are: the former Governor of the Gaza Province, Eugénio Numaio, his son Rangel Numaio and the Mozambican business coordinator, Renato Mucavel.

380/5000 Twin City Development was established in 1984 by Arnold Pistorius, Oscar's uncle, and has consolidated 27 portions of land along the Mozambican border within the 137,000-hectare Karingani Game Reserve. Over time, Mozambican government officials have helped take 20,000 hectares of communal land in favor of Karingani, and plans to acquire more.

First of all, the Cuban communities agreed to give 10,000 hectares to Adolfo Bila, Administrator of the Massingir district during the term of the first President of the Republic of Mozambique, Samora Machel. Then another 10,000 hectares were released to the former Governor of Gaza, Eugénio Numaio, after he spoke at a meeting with the members of the Community Association on the importance of Ecotourism to the community.

"The first 10,000 hectares were passed to Numaio by Bila, and we agreed with this, in the expectation that the former administrator would fulfill his promises of social responsibility in exchange for the land. But he did not live up to his promises. No member of the Cube Community is working for Twin City, "said Fubai.

In addition to jobs, the agreement with the Community Cube consisted of including veterinary facilities and piped water for their livestock. "But in addition to having built two classrooms, a bathroom, a kindergarten and a fence for the hospital, Bila did nothing else," he said.

After the intervention of the Terra Viva Center, a non-governmental organization for land and environment issues, community members agreed to maintain and develop 3,000 hectares of the remaining 10,000 hectares that had originally been occupied.

Members of the community formed an association called Tlharihane va ka Cubo, and agreed to move to Macavene and Xilalane Valley, near the Massingir Dam.

In 2006, the Community Cube Association formed a consortium with the African Wildlife Foundation (AWF) to develop a project and tourist resort on the community's 3,000-acre site. "The AWF suggested that we accept Numaio as our partner and that he would place a fence around the area to prevent lions from killing people and cattle," Fubai said.

The partnership saw Numaio take up 60% of the project and community tourist resort. Disputes surrounding the property arose, over 3,000 hectares and Numaio subsequently announced that it had obtained DUAT, Land Use Right and Use, as its property, justifying this by saying that it had invested in the project.

In May 2016, Balule Lodge was inaugurated by the Minister of Land, Environment and Rural Development, Celso Correia. Samora Machel Junior, son of the first President of the Republic was mentioned, along with Eugénio Numaio and Renato Mucavele as the Mozambican partners. The Inauguration ceremony was marked by the absence of the Cubo Community.

Other conflicts stemmed from promises of fence after two people and hundreds of heads of cattle were attacked and killed by lions crossing the territory of Twin City, from South Africa to Massingir.

"We asked them to put a fence because the lions cross over to this side, killing our cattle and the hippos feed on our crops and destroy our fields. But Numaio refused to put the fence and said he wanted to appropriate our 3,000 hectares of land. We do not want to see our land being stolen from us, "Cubo community leaders said.

A lioness who killed a young man on a farm was killed by members of the community. "We have complained about the wildlife and in 2001, Twin City asked us to put our complaints in writing. We did it but we did not get results.

"Now we know why they always refused to put the fence. Because they want to take the land away from us, "said community members.

Fubai stepped down from his position as leader of the Cubo community, saying he was under pressure from Numaio and the District Government of Massingir to persuade the Community Association to cede its last 3,000 hectares to the Twin City partnership

Fubai said it was offered $ 5,800, a mansion type 16 and luxury car in exchange for 3,000 acres. "But I did not take the bribe."

In October 2010, the development of tourism projects in the community was interrupted by the District Government. Amélia Cubai, who replaced Fubai at the head of Tlharihane Va Ka Cubo, said several officers including the District Administrator of Massingir had tried to persuade the community to hand over their 3,000 hectares of land to Twin City, which would bring substantial development to the community, otherwise they would "take the land by force."

"The community was not intimidated, we declined," Fubai said.

380/5000 The 2017 Census was compromised last year when the Cubo community demanded that the government return their land as a condition for them to participate in the census. As a result, the Minister of Land, Environment and Rural Development Celso Correia undertook to end the 5-year land conflict with Twin City giving the population the right to use other lands.

Limpopo National Park

No norte da zona fronteiriça, Moçambique reservou cerca de 10,000km de terra para fazer parte da gigante transfronteiriça “parque pacífico “acordado entre os governos da África do Sul pós-apartheid, Moçambique e Zimbabwe em 2000. Desde então, vedações ao longo da fronteira foram removidas e os animais do Kruger movimentaram-se entre os dois países ao longo de antigos corredores migratórios.

O reassentamento de comunidades vivendo no Parque Nacional do Limpopo no lado Moçambicano foi parte do acordo transnacional, disse o Administrador do parque, Cornélio Miguel.

“ Nós fazemos parte de um enorme ecossistema associado ao Parque Nacional Kruger na África do Sul e o Parque Nacional Gonarezhou, no Zimbabwe. Nós precisávamos executar o processo de reassentamento para criar boas condições de vida às comunidades vivendo dentro do parque em dificuldades e condições extremas; acreditamos que com o reassentamento, eles terão a oportunidade de melhorar a sua qualidade de vida, vivendo em melhores residências e meios de sobrevivência”.

“Simultaneamente, estamos a recuperar o ecossistema e a assegurar a continuidade dos corredores de animais. Os animais vão, por sua vez, no futuro, beneficiar as comunidades através de empregos e promoção do turismo local”, disse Miguel.

Cerca de 2,000 famílias foram reassentadas em oito vilas, no bairro Eduardo Mondlane em Massingir, de acordo com Anastácio Matavel, Director Executivo do Fórum de Organizações Não-Governamentais de Gaza (FONGA). Cinco comunidades, abrangendo 13,300 famílias estão ainda a viver dentro do parque, à espera do reassentamento.

Matável descreveu o reassentamento como um “processo falhado”. Primeiro, foram construídas 18 casas, e depois, 50 casas. O governo local tentou financiar o projecto através do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, mas o processo falhou.

“Não havia mais dinheiro e as construções foram rejeitadas pelas comunidades. Eles também não levaram aspectos culturais em consideração, tais como: quem deve viver junto. Números de mulheres e crianças vivendo todos em pequenas palhotas.”

Matável disse não haver empregos na zona de reassentamento, nem espaço para a agricultura e criação de gado. “O parque prometeu criar todas as condições sociais necessárias para um reassentamento decente. Foi por isso que nós aceitamos sair, mas o que é que a população recebe em troca? Nada. Qual tem sido a relação entre a população e o parque? Não há benefícios”.

“ Todas as comunidades querem voltar para dentro do parque, onde costumavam caçar e vender a carne. Nós cultivávamos dentro do parque tinha boas terras onde durante o tempo da seca, podíamos produzir vegetais e fruta para a nossa sobrevivência. Nós tínhamos água, mas agora, precisamos comprá-la”.

Cana-de-açúcar

As oportunidades de emprego aumentaram com o desenvolvimento de campos de cana-de-açúcar abrangendo 37,500 hectares no distrito de Massingir. Um consórcio composto por empresas Sul-africanas e Moçambicanas criou um projecto, avaliado em US$ 740 milhões que incluiria uma unidade de processamento.

Em 2007, o Governo moçambicano assinou um contrato com a empresa ProCana para a produção de Etanol a partir da cana-de-açúcar. O investidor inicial da ProCana era sediada em Londres, a Central African Mining and Exploration Company, que constituiu a Bioenergy Africa para tomar 94% das acções da ProCana.

Posteriormente, a Bioenergy mudou o seu nome para Stable Mining, e está registrada no paraíso fiscal do Caribe, das Ilhas Virgens Britânicas. Em 2009, o governo moçambicano anunciou o cancelamento do Contrato ProCana.

O projecto foi adoptado pela Massingir Agro Industrial (MAI) em 2012. A empresa Sul Africana TSB Sugar detinha 51% das acções e os restantes 49% eram pertencentes à SIAL (Sociedade de Investimentos Agro-Industriais do Limpopo), uma empresa moçambicana liderada pelo antigo Ministro da Indústria Octávio Muthemba.

TSB disse que o projecto esperava produzir 500,000 toneladas de açúcar por ano – mais do que todas as outras produtoras moçambicanas de cana-de-açúcar combinadas – e 240,000 litros de Etanol. Campos de cana foram plantados próximos à Barragem de Massingir, mas o projecto falhou em 2016. De acordo com a TSB, um estudo de viabilidade mostrou que os custos de investimento tinham crescido para $ 1,2 biliões, reduzindo o retorno esperado, e a empresa moçambicana foi incapaz de angariar fundos extra, necessários para o seu financiamento.

Matavel do FONGA disse que as comunidades em Massingir opunham-se ao projecto da cana­-de-açúcar por esta ser uma monocultura, que precisa de quantidades avultadas de água para irrigação e que poderia ainda contaminar a terra através do uso de pesticidas.

“O projecto seria uma catástrofe ambiental”, disse Matável. “ Como o que aconteceu (no canavial) em Xinavane, as comunidades locais não têm lenha nem materiais de construção. Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para travar o projecto do açúcar”.

Casulos Ecológicos

A inquietação da população tem aumentado com a expansão das Reservas Privadas Sul-africanas ao longo do lado moçambicano da zona fronteiriça, a maioria tendo “partes “pertencentes a empresas moçambicanas e oficiais moçambicanos.

Twin City assumiu o arrendamento dos 45,000 hectares da Xonghile Game Park e 8,000 hectares de investidores privados e consolidou-os em Karangani Game Reserve. Singita, uma empresa Sul Africana de Ecoturismo, pertencente a Luke Bailes, tem planos de construir uma luxuosa estância dentro da reserva. Investidores em Karingani incluem a Fundação Bedari nos Estados Unidos e o gestor de Fundo de Investimento americano Paul Tudor Jones.

Existem também vários equipamentos de caça com conexões Sul-africanas na zona fronteiriça, incluindo Magondzo Reserve, Masintonto Eco-Turismo e Sabie Game Park.

Em resposta às questões, Twin City disse ser “uma empresa incorporada em Moçambique com o principal objectivo de investir na conservação da fauna bravia. Está principalmente presente em Massingir com o objectivo de prevenir e neutralizar a caça furtiva.”

“A Twin City uniu forças com unidades Sul-africanas de combate à caça furtiva, que trabalharão na área, e com o Governo Moçambicano, incluindo o governo de Massingir, que também providenciará unidades de combate à caça furtiva, ambas para proteger a fauna e prevenir qualquer acção futura.”

O porta-voz da empresa, Reinecke Janse van Rensburg negou ter colaborado com Numaio no apropriamento de terra da comunidade Cubo. “ Os nossos DUAT (Direito de Uso e Aproveitamento de Terra) foram obtidos legalmente e nós temos um acordo de parceria com a comunidade Cubo sob o qual uma estância turística será construída brevemente. Para mais informações, por favor, contactem o Administrador local e o antigo Governador.”

No seu website, a Karingani diz que desde 2008 tem estado envolvida com 11 comunidades primárias ligadas à reserva, com vista a facilitar o reassentamento das comunidades afectadas. “ Algumas dessas comunidades foram reassentadas de terras que agora fazem parte da Karingani. Esse reassentamento foi resultado de um processo compreensivo de consulta e negociação com os membros da comunidade, onde as comunidades, com o apoio das autoridades locais, chegaram a consenso em termos aceitáveis para que se deslocassem”

Ao todo, o projecto Karingani reassentou 327 famílias, totalizando cerca de 1000 pessoas e 2000 cabeças de gado, menciona o website.

Eugénio Numaio negou que tivesse havido qualquer usurpação de terra no processo de instalação da Karingani Reserve da Twin City. “ Quando é uma empresa privada, as comunidades ficam desconfiadas e pensam que eles queiram usurpar as suas terras” disse ele. “Mas existem regras neste país, ninguém leva nada à força”.

Os 20,000 hectares da terra da comunidade, incorporados à Karingani foram adicionados em consenso com a comunidade, e foram compensados com infra-estruturas tais como escolas, disse ele. Membros da comunidade Cubo estavam a levantar objecções devido a interesses ocultos. Aquela era a entrada para a caça furtiva no Parque Nacional Kruger, e era por onde os chifres de rinocerontes saíam para serem levados a sindicatos internacionais. Nós estamos a criar obstáculos para o negócio da caça furtiva.

 

Numaio também negou alegações de tentativas de suborno aos líderes da comunidade Cubo. “ A nossa empresa Twin City está envolvida com grandes empresas e não se pode envolver em jogos sujos nem procedimentos ilegais. Por causa da imagem da empresa e os investidores são pessoas bem posicionadas, portanto não podem efectuar pagamentos fora da lei”.

Ambientes de tensão surgiram principalmente depois das negociações em torno dos 3000 hectares de terra da comunidade, que daria à Karingani acesso ao lago, disse ele. “ Um estudo realizado por especialistas mostrou que tendo acesso à água daquele vale, Twin City seria o local mais bonito ao longo da fronteira. Nem a África do Sul, nem o Zimbabwe teriam um local tão incrível quanto este, onde teríamos todos os Big Five.

“ Mas a visão conservativa do negócio e a visão tradicional da comunidade são diferentes. Elas não se encaixam, parece um estrondo. Mas isto não é uma guerra”.

Uma pesquisa universitária no desenvolvimento de oportunidades no distrito de Massingir em 2010 indicou haver potencial na agricultura, turismo, pecuária, florestas e pesca. Muitas comunidades locais ainda dependem de rendimentos de migrantes moçambicanos trabalhando na África do Sul.

Mas, apesar desta promessa, quase nada mudou para muitos membros da comunidade, que estão a vender o seu último gado para comprar comida e construir seus próprios poços tradicionais para obter água.

Para Jaime Cumbane, líder de uma das comunidades reassentadas no Bairro Eduardo Mondlane em 2013, o maior problema é a terra: “ Pelo menos 90% da fronteira moçambicana está nas mãos de reservas de caça, incluindo o Parque Nacional do Limpopo. Mas nós não temos terra aqui em Massingir”, disse ele.

Alguns membros das comunidades suspeitam que as reservas privadas e seus aliados do governo não estão tão interessados na superfície quanto ao que está no subsolo. Eles aumentaram a militarização nas zonas fronteiriças, com os membros das comunidades locais tendo de pedir permissão para ir cultivar ou alimentar o seu gado.

“ As forças militares foram originalmente implantadas na área porque esta, era um canal de entrada e saída de caçados furtivos no Kruger Park. Hoje, os militares estão lá para proteger a Twin City”, disse um membro da comunidade Cubo que pediu anonimato.

Uma investigação por: Estacio Valoi

Centro Jornalismo Investigativo Ambiental Oxpeckers

Operador de drone: Dexter Tangocci

Fotos e Vídeos: Filipa Domingues

Fotos: Estacio Valoi

Pesquisador de informação: Ângela Harding

Visualização de informação: Fridah Oyaro, Tricia Govindasamy, Emma Kisa, Isacco Chiaf

Imagens via satellite e analise Radiant. Earth

Editores: Fiona Macleod, Johnny Miller

Gerenciamento de Projectos: Ashlin Simpson

Desenho e Formato: Jacopo Ottaviani

Produzido em parceria com: Code For Africa, AfricanDRONE e a Rede Africana de Centros de Relatórios Investigativos (ANCIR).

Financiado pelo Pulitzer Center on Crisis Reporting e pela Fundação Bill e Melinda Gates, com apoio do Centro Internacional de Jornalistas (ICFJ)

https://oxpeckers.org/2018/04/krugers-contested-borderlands/

https://pulitzercenter.storylab.africa/dominion/

 

COMMENTS

WORDPRESS: 1
  • comment-avatar

    hey guys awesome post

  • en_USEnglish
    pt_PTPortuguese en_USEnglish