Western Union suspende serviços em Cabo Delgado*

Por Luis nhachote Há um ditado africano que “uma desgraça nunca vem sozinha” que parece caber aos nativos da província de Cabo Delgado, norte d

Por Luis nhachote

Há um ditado africano que “uma desgraça nunca vem sozinha” que parece caber aos nativos da província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, onde uma insurgência está em curso desde outubro de 2017. Apesar da intervenção militar estrangeira, o jihadismo continua a resistir e perduram os relatos de ataques esporadicos, sobretuto nos distritos de Macomia e Mueda, onde 11 pessoas terao sido assassinadas.

 

O pecado de nascer em Cabo Delgado

 

Os cidadãos naturais de Cabo Delgado, para além do drama da guerra, são também vítimas dos serviços bancários prestados pela gigante Western Union, um empresa multinacional que presta serviços financeiros e que tem sede nos Estados Unidos, em Greenwood Village, no estado do Colorado que suspendeu e as suas operacoes na provincia de Cabo Delgado.

 

É uma situação de dupla tragédia.

O Western Union oferece serviços de transferência de dinheiro por meio de uma grande rede de agentes. Os agentes aceitam dinheiro em nome da Western Union, que o transfere conforme solicitado por uma taxa por esse servico.

Para poderem receber ajuda de amigos ou familiares no estrangeiro, os naturais de Cabo Delgado ou não, residentes na província, precisam de se movimentar para a província de Nampula, também no norte de Moçambique. De Cabo Delgado a Nampula, a distância a percorrer ronda os 400 quilómetros de Estrada.

Por duas vezes, Habiba Aboobakar foi forçada a fugir de casa. Em março de 2020, ela fugiu para a cidade costeira de Palma depois que grupos armados não estatais atacaram sua aldeia em Mocímboa da Praia, no norte de Moçambique.

Agora, um ano depois, ela teve que fugir novamente, deixando tudo para trás depois que Palma foi atacada em 24 de março. A mãe de três filhos, de 34 anos, trabalhava no campo, cuidando da fazenda onde sua família cultivava mandioca e arroz, quando o marido ligou para dizer que a cidade estava sob ataque e para fugir com as três filhas. Eles decolaram em direção à praia. “Eu andei e nadei na água. Tive que manter meus filhos seguros ”, lembra Maria. “Eu podia ver outros lutando na água; alguns não conseguiram sobreviver. Foi terrível.”

Há poucos dias, ela recebeu a ajuda de um primo que mora na Europa, que lhe enviou algum dinheiro por meio da WU. Ao chegar à agência do BIM em Pemba, foi informada apenas de que o serviço não estava disponível. “Tive de apanhar transporte para Nampula e lá também não recebi porque o meu documento mostra que nasci em Mocímboa da Praia. Não somos terroristas, somos vítimas do terrorismo ”.

 

A solução para Habiba foi pedir a um primo seu, por telefone que mudasse o seu nome para outro natural de Nampula. “Para isso tive de dar algum dinheiro a esta pessoa”.

O jornalista moçambicano Estácio Valoi, e chefe de investigacao do CJI que vive em Pemba há sete anos, queixou-se da “falta de respeito e consideração do banco pelos seus clientes”. “Não há informação oficial de que o serviço está cancelado. Sempre que tenho que usar o serviço tenho que ir para a província de Nampula e isso tem custos muito elevados ”.

Ao contrário dos cabo-delgado, Estácio, que nasceu em Maputo, não viveu a mesma situação que um cabo-delgado que consegue percorrer os 400 quilómetros de estrada

 

Quem mais está movimentando dinheiro?

 

A Western Union confirmou ao CJI que seus serviços no norte Moçambique foram suspensos. Não disse o porquê, mas disse que “leva as suas responsabilidades regulatórias e de conformidade muito a sério” e toma decisões“ com base em uma avaliação de risco de nossos produtos e serviços, nossos consumidores e nossos agentes, e onde fazemos negócios. ” entretanto prometeu que estava “comprometido em retomar de forma responsável operações [no norte de Moçambique] assim que possível”.

Impedindo as pessoas de usarem sistemas para movimentar dinheiro poderia ser um tiro pela culatra, de acordo com um novo relatório em como a insurgência e financiada em Moçambique.

Um relatório, da autoria de Amanda Lucey e Jaynisha Patel para o Instituto for Justiça e Reconciliação (IJR), nota que preocupações foram levantadas sobre o uso, em particular, de dinheiro móvel serviços de transferência para financiar a insurgência.

Por exemplo, o Leste e o Sul Grupo Africano de Combate à Lavagem de Dinheiro disse que “os principais conduítes para Lavar o produto do crime aparece ser por meio de bancos, casas de câmbio, correios de dinheiro e sistemas hawala ”- este sendo as últimas redes informais de dinheiro agentes de transferência, amplamente utilizados no litoral leste África em particular.

Mas essas mesmas redes também são linhas de vida vitais para comunidades que têm pouco acesso ao banco formal. “Qualquer intervenção deve considerer primeiro o impacto que pode ter sobre aqueles já vivendo nas margens econômicas da sociedade ”, argumentaram Lucey e Patel no Mail & Guardian no início deste ano.

O Banco de Moçambique, que regula o setor financeiro em Moçambique, não respondeu quando perguntamos se estava ciente da decisao do Western Union de suspender as operações em Cabo Delgado. “informamos que remetemos o expediente ao Millenium BIM por se tartar de materia da alcada desta instituicao” , refere a nota do BM

A solução para Habiba foi ligar para uma prima para mudar o nome do destinatário que é de Nampula.

Ela teve que pagar parte do dinheiro para a pessoa, para fazer o levantamento para ela.

O jornalista moçambicano Estácio Valoi, que vive em Pemba há sete anos, queixou-se do Millennium BIM por “Falta de respeito e consideração pelos seus clientes”.

“Não houve nenhuma informação official que o serviço está cancelado ”, disse ele.

“Cada vez que tenho que usar o serviço eu tem que viajar para a província de Nampula e isso é caro”.

Ao contrário dos nascidos em Cabo Delgado, Valoi, natural de Maputo, encontra-se em menos capaz de pegar dinheiro sozinho Nampula. Mas aqueles com o infortúnio de serem nativos da província mais rica em recursos encontram-se cada vez mais excluídos de qualquer indício de prosperidade no país.

 

Militares moçambicanos presos por assalto a bancos em Palma

O ataque a 24 de março à aldeia de Palma, o ponto nevralgico onde ocorre o Gas Natural Liquifeito, foi uma oportunidade para os ladrões. Os três bancos privados mais importantes, agências Millenieum BIM, BCI e Standard Bank foram vandalizados e foi relatado que quase o equivalente a um milhão de dólares foi saqueado.

Trinta membros das Forças Armadas de Moçambique estão detidos em ligação com alegados assaltos a banco na aldeia de Palma, Cabo Delgado, relata a publicação online Carta de Moçambique.

Perante a notícia, o Chefe do Estado-Maior do Exército moçambicano, Joaquim Mangrasse, limitou-se a dar garantias de que não são tolerados comportamentos desviantes nas Forças de Defesa e Segurança.

“A minha missão é defender Moçambique. Eventualmente, há questões disciplinares e criminais na tropa, acho que as autoridades tomam as medidas necessárias ”, disse Mangrasse.

As fontes não especificaram as datas das prisões, muito menos as especialidades dos detidos

 *Texto publicado originalmente no The Continent / Mail&Guardian que se edita em Johanesburg

 

 

 

 

COMMENTS

WORDPRESS: 0
en_USEnglish
pt_PTPortuguese en_USEnglish