Mais uma vez expulsos de suas terras e mares!?

Mais uma vez expulsos de suas terras e mares!?

Por Estácio Valoi De norte a sul de Moçambique numa descida vertiginosa na corrida pela exploração mineira em Moçambique, desde Cabo Delgado, T

Por Estácio Valoi

Fura Gems no distrito de Montepeuz, na província de Cabo Delgado. Foto de Estácio Valoi

Fura Gems no distrito de Montepeuz, na província de Cabo Delgado. Foto de Estácio Valoi

De norte a sul de Moçambique numa descida vertiginosa na corrida pela exploração mineira em Moçambique, desde Cabo Delgado, Tete, Nampula, Beira, Zambézia, províncias de Inhambane e outras onde as concessões durante as últimas décadas foram concedidas que nem  cogumelos para multinacionais ligadas a o principal partido político, a FRELIMO, e outros bandidos beneficiam de biliões de dólares, deixando nada ou quase nada para as comunidades locais.

Pessoas, comunidades estão patinando em suas próprias terras a favor de uma pequena elite com suas empresas multinacionais amigas, como a mineradora britânica Gemfields, a canadense FURA, Vulcan Resources – VALE, Huyan, Syran, SASOL e outras. Apesar das políticas governamentais supostamente destinadas a ajudar a mineração comunitária, os aldeões que esperavam explorar ficaram com cicatrizes resultantes de  mortes causadas por balas, pessoas enterradas vivas, mutiladas, feridas, presas, sem empregos, “a riqueza sob os seus pés” foi “enganada”.

As organizações comunitárias  locais na provincial de  Inhambane dizem que tem ganho pouco com a exploração do gás natural pelo grupo petroquímico sul-africano Sasol em Pande e Temane.

Por Estacio Valoi/Tete a mineradora de carvão mineral- Vale

“Quando olhamos para os exemplos de Tete a mineradora de carvão mineral- Vale, Cabo Delgado, são experiências interessantes, importantes de ver. Cabo Delgado não viu o benefício directo para as comunidades devido aos problemas que aí existem. Tete com a VALE sabemos o que aconteceu, está a acontecer com as comunidades vizinhas. Areia pesada em Moma sabemos quais os impactos que aconteceram às comunidades, não estamos a ver nada que possa ser diferente nesta área em comparação com o que aconteceu, está a acontecer em essas outras áreas, províncias!”

As principais actividades na província de Inhambane são a pesca e o turismo mas actualmente o governo a realizar uma consulta sobre as actividades mineiras envolvendo algumas empresas em diferentes áreas desde petróleo e gás, areias pesadas.

Mário Gonga da Consultora Blue Planet na província de Inhambane vê com maus olhos ! ‘É um estudo que vai ser feito e pensamos naqueles que vão falhar. Em primeiro lugar, a vida marinha que existe nesta área é especial, como baleias, tartarugas marinhas, dugongos e outras como os peixes e possivelmente se estes estudos que se pretendem realizar possam criar impactos irreversíveis nestas espécies marinhas, afectando directamente a biodiversidade na área do turismo, da pesca e também da vida das comunidades desta zona, aqui na zona de Bazaruto, Inhanssoru e também aqui na zona de Vilanculos, por isso queremos acreditar que não é hora de um projecto que possa interessar a comunidade aqui

‘Não há mineração, não estamos interessados, organizações locais, comunidades, não queremos e os riscos são elevados.” Dizem as comunidades  locais

Mario Gonga da organização ambiental Blue Planet em Vilanculo antes de começar a explicar o que tem acontecido naquele local de Moçambique. Levantar questões que foram feitas durante a reunião de consulta mas sem resposta!

Quais são as garantias de risco zero para o ambiente e ecossistema marinho da nossa costa!? Quais são as compensações se houver impactos adversos após a primeira fase da investigação sísmica no turismo e na pesca? Na reunião de hoje em Vilanculos, houve forte oposição expressada pela comunidade em geral. Os seguintes pontos foram especificamente abordados:

 

– Impactos inevitáveis ​​no turismo e nos pescadores artesanais; Muito próximo de duas áreas de conservação designadas; Estatuto da KBA, IMMA, centro para aves migratórias, local de nidificação para 5 espécies de tartarugas marinhas; Precedentes na África do Sul, onde os pedidos de testes sísmicos foram recusados ​​em ambientes menos sensíveis; Envolvimento comunitário totalmente inadequado; Outros importantes projectos de investimento (centenas de milhões de dólares) centrados no ecoturismo, protecção ambiental e desenvolvimento comunitário que serão comprometidos por esta actividade; Relatórios imprecisos e seletivos de ocorrências de megafauna durante a apresentação de hoje; Conflito com os objetivos governamentais e internacionais de 30×30 e Economia Azul.

É muito importante que outras questões técnicas e científicas sejam apresentadas por escrito por ambas as organizações.

Fora de sua terra, mar!?

As empresas mineiras só se preocupam com o lucro, enquanto o governo, além de alguns impostos, também espera receber muitas comissões por baixo da mesa. Novas concessões estão prestes a ser atribuídas na província sul de Inhambane que apresenta um grande potencial turístico e oportunidades de investimento ao longo dos seus 700 quilómetros de costa, com praias banhadas por águas cristalinas, grande beleza paisagística e diversidade de flora e fauna marinha e terrestre e enorme comunidade de pesca. A auscultação, essa continua!

Vilanculo, Bazaruto também são alvos. Exemplo “o arquipélago é composto de 5 ilhas na costa de Moçambique, ricas em biodiversidade, incluindo a maior população de dugongos na região da EAME. Foi classificado como um grupo de ilhas de importância mundial e considerado uma paisagem marinha prioritária para conservação. É uma história de sucesso na conservação de parques marinhos.

O livro intitulado Uma História Natural do Arquipélago de Bazaruto, Moçambique, fornece uma visão abrangente e multidisciplinar dos aspectos sociais, económicos e ecológicos do Arquipélago de Bazaruto. “

Proponente da consulta é o governo que contratou uma empresa que’ é a empresa Searcher e Impacto para fazer o  estudo ambiental. Esses são os três actores neste processo mas a comunidade diz que não, mesmo que seja um grande projecto que possa explorar gás, e querem mesmo perceber se temos gás ou não, aqui a comunidade por unanimidade diz que não. “vocês não precisam desses projetos porque aqui vivemos baseados na pesca, toda a comunidade aqui está pescando e normalmente, se houver danos maiores, não sabemos qual será o nível de compensação, tanto para o turismo como para outros setores dos pescadores.”

 

Para Gonga falando de Bazaruto, um dos projectos é a exploração de areia pesada por um chinês corrupto Good disse também ser ainda cedo para falar sobre isso tendo em conta que ainda estão em fase de pré-estudo e o estudo de impacto ambiental, depois fazer uma apresentação do que está envolvido, um relatório que indica que se esses estudos forem realizados e que haverá menos danos fatais. “Apesar da pré-fase do processo aqui na pesca comunitária, os operadores turísticos dizem não. Não queremos que os estudos que estão a ser feitos e não importa o que diga o relatório final todas as actividades sísmicas tem um impacto que não é mínimo e acreditamos que há danos fatais e as tecnologias que hoje são utilizadas ainda não são 100% confiável e principalmente numa área sensível como esta em termos de habitat de espécies especiais. É irreversível e não podem minimizar diz que os danos serão mínimos não acreditamos que queremos Zero danos e riscos, proteção e contribuição para os ecossistemas nas áreas que ainda existem”.

Da pesca e turismo à mineração

E é aqui que a famosa empresa de mineração de areia, como

Licença de mineração de areias pesadas emitida num lugar sensível costeiro de biodiversidade adjacente ao mundialmente famoso Parque Nacional de Bazaruto, em Moçambique.

Foi nas vésperas das eleições municipais a empresa mineira chinesa com um historial de violações dos direitos humanos e ambientais está a avançar num projecto que ameaça um ecossistema costeiro extremamente importante e os meios de subsistência de dezenas de comunidades indígenas.

A Haiyu Moçambique Mining, Co.Lda, uma subsidiária da Hainan Haiyu Mining Co.ltd e da Africa Great Wall Mining Development Company, lda, foi atribuída  uma concessão mineira de 3.189,66 hectares por 20 anos (https://portals.landfolio. com/mozambique/en/) e autorização para extrair 93,77 milhões de toneladas de reservas de areias pesadas para zircão e iluminantes, de acordo com o vice-gerente geral da empresa, Juyi Li (artigo MZNEWS de 3 de maio de 2022). Com as eleições municipais e presidenciais iminentes em 2023 e 2024, a mina recentemente licenciada juntamente com múltiplas licenças de prospecção adicionais abrangem esta costa ecologicamente importante, apesar das provas contundentes dos danos que resultarão neste relíquia de biodiversidade.

Em 2018, a Haiyu Moçambique Mining foi objecto de uma investigação da Amnistia Internacional e de um relatório internacional depois de residentes terem exposto graves violações das leis nacionais e internacionais que ocorriam na sua comunidade de Nagonha, província de Nampula. A operação mineira de Haiyu destruiu a paisagem costeira de tal forma que causou graves inundações, destruiu dunas costeiras, desmatou florestas costeiras de Miombo, despejou resíduos mineiros em zonas húmidas, soterrou duas grandes lagoas e os cursos de água que ligavam as comunidades ao oceano, e expôs comunidades a produtos químicos tóxicos. O projecto destruiu casas, deixando 290 pessoas desalojadas e dezenas de famílias de pescadores perderam o acesso aos seus meios de subsistência.

Mas os danos não param por aí. Recentemente, a Haiyu solicitou outra licença mineira na província de Inhambane, distrito de Vilankulo, a sul de duas das mais importantes áreas de conservação marinha de Moçambique: o Parque Nacional de Bazaruto e o Santuário de Vida Selvagem de Vilanculos. A área a sul desta mina recentemente licenciada, que se estende entre Bazaruto e Pomene, está actualmente a ser considerada como zona de protecção devido ao seu estado ecológico e à sua importância essencial para a sustentação das comunidades costeiras.

A aprovação da licença mineira de Haiyu viola múltiplos compromissos, prioridades nacionais e estratégias feitas por Moçambique para identificar importantes hotspots de biodiversidade marinha e estabelecer novas Áreas Marinhas Protegidas, proteger recifes de coral, mangais, leitos de ervas marinhas e florestas de miombo. A área é uma das duas únicas áreas restantes em Moçambique onde as florestas costeiras de Miombo chegam ao mar.

Os danos ambientais significativos previstos para ocorrerem como resultado da mineração foram descritos num relatório ao governo em 2020, e na altura a concessão mineira não foi aprovada e ajudou a proteger esta área e a sua população não só de operações mineiras extractivas prejudiciais, mas  também de uma empresa com um histórico destrutivo e de violações dos direitos humanos.

Desde então, vários grandes investimentos alternativos na ordem das centenas de milhões foram apresentados ao governo para apoiar as comunidades e fortalecer a economia local, protegendo e garantindo ao mesmo tempo a utilização sustentável dos recursos naturais. As discussões permanecem estagnadas e progridem mais lentamente do que os interesses mineiros.

Estas oportunidades de financiamento para a protecção dos principais pontos de biodiversidade marinha e costeira trazem um apoio financeiro e técnico substancial que, se priorizado e aprovado, não só protegerá este importante ecossistema marinho e costeiro, mas também proporcionará oportunidades de desenvolvimento sustentável e de longo prazo para as comunidades locais, abordando os compromissos de conservação de Moçambique. e impulsionar o apoio económico e o desenvolvimento dos distritos e províncias. O estabelecimento de planos locais de gestão e zoneamento apoiados por uma forte capacidade de implementação é uma alternativa muito mais sustentável do que o envenenamento destrutivo e de longo prazo e os efeitos devastadores da mineração de areia pesada.

Entretanto, em 2022 e apesar do histórico de graves violações da empresa, o vice-diretor da Haiyu, Juyi Li, anunciou que tinham obtido o DUAT (Documento Oficial de Aproveitamento e Exploração de Terras) e foram autorizados a explorar e comercializar areias pesadas. Aparentemente foram realizadas audiências públicas obrigatórias, mas várias partes interessadas não foram comunicadas e não está claro se esta etapa foi realmente realizada.

Por Estacio Valoi/Angoche/Haiyu Moçambique Mining, Co

́ Segundo relatórios, as operações da Haiyu começaram com vários veículos operando na área, o que pode indicar que as operações estão avançando. Se as operações da Haiyu em Nagonha, Nampula, servirem de base para medir o impacto nas comunidades, Inhambane está em sérios problemas. As próprias comunidades de Nagonha declararam, em resposta aos impactos da mineração a céu aberto, que “as nossas vidas não significam nada”. ́ ́

Outra vítima da operação da Haiyu em Nagonha disse: ́ ́As florestas desapareceram. Os cajueiros desapareceram. As florestas tinham árvores para frutas, para remédios tradicionais, para lenha, que usávamos. Quando nossos filhos iam nadar, comiam massalas. Agora todas as frutas silvestres que nossos filhos comiam acabaram. Nossos filhos saíam de manhã e se perdiam na floresta comendo frutas silvestres e nadando nas lagoas e voltavam felizes para casa depois das 12h. Agora tudo acabou e não posso fazer isso ́ ́.

Em 2023, foram concedidas três licenças de prospecção adicionais em torno da nova concessão mineira Haiyu. Uma da Africa Yuxiao Mining Development Company K Lda, Stelio Timóteo Marimba e Malaca Mineiros SU Lda. Estas minas cobririam uma área total de 610 km2 de dunas costeiras e floresta costeira de Miombo (uma das duas únicas florestas remanescentes em Moçambique), locais de nidificação de tartarugas, um santuário de baleias e um sistema diversificado de recifes de corais.

O que será das comunidades e destes importantes ecossistemas? As nossas vidas e os nossos recursos naturais continuam a não significar nada?

Moma comunity

By comunity member

Impunidade com apoio de líderes da nomenclatura política moçambicana (FRELIMO)

É mais uma ‘máfia’ sobre a população local que se arrasta desde finais de 2023 até agora 2024, perpetrada pela empresa mineira Haiyu Moçambique Mining, que há anos explora areias pesadas em algumas comunidades do distrito de Moma, na província de Nampula.

A Haiyu Moçambique Mining, Co. Lda desta vez e, não menos grave, num processo repleto de irregularidades, impôs o pagamento de indemnizações às comunidades de Nacalela, Mpode, Muripa, Natupi e Mpuitne no Distrito de Moma na Província de Nampula, ignorando as dimensões de cada pedaço de terra anteriormente ocupado por essas comunidades.

“São USD 238,09 para cada família ou membro da comunidade”. E, face a estas situações que estão a acontecer no Distrito de Moma, que não são novas, acontecem aos olhos do governo distrital e de toda a sua estrutura conivente. Não vão dizer que em 4 comunidades as pessoas têm fazendas com as mesmas dimensões, cultura e portanto 238,09 para cada pessoa, família. Isso não está correto. deve basear-se na tabela de compensação aprovada pelo Ministério da Agricultura. Cada tipo de cultura ou planta tem sua precariedade na mesa.”

A mineradora ignorou todos estes procedimentos, transformando as comunidades num “autêntico assalto. “O Governo está a favorecer a mineradora, estamos a perceber que a empresa alimenta os chefes das localidades, chefes de cargos e directores e até a estrutura de topo, em troca da desgraça da população, não é possível que tal processo demore lugar dentro de uma comunidade principalmente para compensação sem o conhecimento do Serviço Distrital de Actividades Económicas (SIDAE)!”

Moma mina Yuan Hian foto comunitaria

Moma/ Area de mineracao Haiyu Moçambique Mining, Co

Segundo Eduardo Muchaiabande, Presidente da Associação de Paralegais de Apoio ao Desenvolvimento Comunitário Sustentável (APAADEC), paralegal, defensor dos direitos humanos (ativista social) é importante que o problema seja resolvido da melhor forma, para garantir o bom nome da população local. credibilidade do governo e da empresa e que os envolvidos neste escândalo sejam punidos.

“Temos conhecimento de que o secretário de Natupi, Amozi Esquadro, não está mais lá, acabou fugindo de casa porque a comunidade ficou furiosa com ele.

Segundo a comunidade de Muripa, existiam 28 explorações agrícolas, das quais apenas 15 foram escolhidas, mas a HMM pagaria apenas a 13 camponeses no valor de 15 mil meticais por exploração agrícola e as restantes pessoas foram deixadas de lado. O problema estende-se a todas as comunidades acima mencionadas e não há solução à vista, pois a Gestão do HMM continua a utilizar meios fraudulentos para enganar as comunidades.

Ainda em Moma a Mineradora chinesa continua a distruir  dunas primárias legalmente protegidas por Lei como fez a 29 de setembro de 2023-Residentes das comunidades de Corropa e Mponha

“alguns moradores confirmaram que eles só estão a deixar 12 metros para o mar, o que a lei não permite”. Esta nossa fonte exige que o governo tome medidas, de forma a evitar graves violações do meio ambiente.” E,   “Por exemplo em Mponha, eles compraram um rio com os líderes que estão a usar de qualquer maneira”, anotou este nosso interlocutor. “Aqueles chineses não vale a pena”, disse uma outra fonte, explicando que “eles estão a destruir tudo aqui. Quando levamos o caso ao tribunal eles vão para lá e pagam ao tribunal e o caso morre”, por isso “estamos a pedir socorro. Estamos mal com essa gente”.

Uma outra fonte anotou que “muitas vezes eles para bloquearem os líderes comunitários lhes oferecem vagas de emprego, e quando os líderes tentam reclamar eles ameaçam expulsar a pessoa que empregaram”.

No meio de todo o problema, activistas comunitários da APAADEC acusam a empresa de prejudicar as comunidades e o Governo moçambicano de estar por trás das injustiças sofridas pelas comunidades de Moma.

“É preciso que haja um entendimento com as comunidades para que a paz e a tranquilidade não sejam comprometidas naquela região, onde as comunidades já estão fartas das “promessas não cumpridas da mineradora HMM”.

Haiyu Mozambique Mining o seu direito ao contraditório, mas este pura e simplesmente declinou as nossas chamadas e também as mensagens por nós enviadas. De Dezembro de 2023 até    o momento antes  da nossa publicação -Janeiro de  2024 a empresa respondeu   nehuma pergunta  das  poucas, muitas perguntas enviadas via SMS, e muito menos  atendeu telefonemas

Outras publicacoes:

https://www.amnesty.org/en/latest/news/2018/05 moçambique-suspension-of-devastating-mining-operations-welcome-but-affected- community-must-get-justice/

https://clubofmozambique.com/news/mozambique-government-suspends- haiyu-for-dangerous-mining-activity-amnesty-international/

https://clubofmozambique.com/news/mozambique-government-suspends-haiyu-for-dangerous-mining-activity-amnesty-international/

State and the State of Criminalization!?

 

 

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
pt_PTPortuguese
en_USEnglish pt_PTPortuguese